Notícias | 20 agosto, 2020
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Um conjunto de decisões corretas, aliado à eficiência das metodologias, ferramentas e tecnologias desenvolvidas nos últimos anos nos permitiu entregar, nesse primeiro semestre de 2020, um crescimento de 22,5% na receita líquida, que atingiu R$695 milhões, e de 36% no EBITDA Ajustado, para R$210 milhões, quando comparados com o mesmo período do ano anterior, atingindo uma margem EBITDA de 30%. Os principais vetores dessa evolução foram o crescimento da base de alunos, a evolução do ticket, as sinergias obtidas com as recentes aquisições, a maturação das unidades novas e os ganhos de eficiência operacionais.

“Entendemos muito cedo que o caminho a ser implementado para transformar o país pela educação passava por um modelo híbrido, omnichannel, que integrasse as ferramentas digitais ao ensino presencial, e focado no desenvolvimento de competências. O que buscamos é integrar a tecnologia na presencialidade de forma fluida e natural, porque o mundo é dinâmico e interconectado. Implementamos em 2017 o Ecossistema Ânima de Aprendizagem (E2A), nosso modelo acadêmico híbrido, por competências, flexível e colaborativo, para oferecer educação de qualidade, alinhado à demanda dos estudantes e das organizações, e que permitiu que os nossos quase 140 mil alunos[1], vivendo em oito Estados brasileiros, experimentassem a plena continuidade de seus estudos no ambiente de pandemia”, destaca Marcelo Battistella Bueno, Presidente da Ânima Educação.

Ao final do semestre, a base consolidada do ensino superior totalizava 119 mil alunos, aumento de 12% em relação ao ano anterior, já incluindo as aquisições no período, com taxa de evasão de 6,5% da base de alunos de graduação, praticamente estável quando comparado ao mesmo período em 2019.

A operação também apresentou sólidos índices de geração de caixa. No primeiro semestre, a geração de caixa antes de investimentos foi de R$126 milhões, representando 60% do EBITDA Ajustado. Esse indicador permite seguir e intensificar o forte investimento em novas tecnologias, no aprimoramento dos processos de aprendizagem e nas unidades abertas recentemente.

O ticket médio foi de R$948/mês, representando expansão de 14,5% em comparação com o primeiro semestre de 2019, influenciado por ações internas de retenção, evoluções nos processos de precificação e um melhor mix de cursos. A recomposição do ticket também tem sido influenciada por outra decisão acertada: a aquisição, nos últimos 12 meses, de três instituições de ensino fortemente concentradas no segmento de Medicina e saúde – UniFG, FASEH e UniAGES.  Com isso, nos consolidamos entre as maiores companhias privadas de ensino médico no país, com nove escolas de medicina e um total de 873 vagas.

Outra forma de avaliar os nossos resultados é olhar para os blocos de unidades de acordo com seu momento de maturidade. A eficiência do modelo operacional pode ser sentida principalmente no resultado do segmento Base, que reportou resultado operacional de R$173 milhões no semestre, com margem de 44%, crescimento de 1,9 pontos percentuais comparado ao mesmo período de 2019.

No segmento Aquisições, todas as instituições adquiridas nos últimos 12 meses chegaram com um ticket médio mais alto, e contribuíram com mais de 14 mil novos alunos, dos quais cerca de 11.300 somente no primeiro semestre desse ano. O resultado operacional desse bloco foi de R$61 milhões no primeiro semestre de 2020, com margem de 36%, crescimento de 5,1 pontos percentuais se comparado a 2019.

Já no bloco da Expansão Orgânica colhemos os frutos da nossa estratégia, considerando que o tempo de amadurecimento de uma unidade acadêmica é de aproximadamente cinco anos e que as unidades desse bloco têm, em média, dois anos e meio desde sua abertura. O resultado operacional dessas unidades foi de R$44 milhões, com margem de 39%, crescimento de 17,6 pontos percentuais comparado ao mesmo período de 2019.

No primeiro semestre de 2020 a Provisão para Devedores Duvidosos atingiu 5,8% da Receita Líquida, aumento de 2,8 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2019, como resultado direto da pandemia. Sensíveis ao momento que tem desafiado os estudantes, oferecemos diversas opções para apoio financeiro, sendo eles: seguro educacional, novas modalidades de financiamentos do Pravaler e o Decola, sistema próprio de negociação. Juntas, essas três opções auxiliam os nossos alunos a seguirem com seus sonhos de evolução pessoal e profissional, e têm fornecido sinais positivos de rematrícula. Entretanto, a inadimplência segue sendo motivo de atenção e cuidado, exigindo a continuidade e intensificação das iniciativas em curso.

“Continuamos atentos aos desafios que temos diante de nós. Sabemos que o momento exige cautela para lidar com as incertezas que persistem no curto prazo. Mas os desafios nos movem, motivam, provocam nossa criatividade e nos exigem a busca persistente das mais avançadas e inovadoras ferramentas que garantirão que nossos alunos e alunas estejam sempre um passo à frente”, finaliza Marcelo.

[1] Inclui os alunos da Unisul, sob co-gestão desde março/2020